Cosméticos, Produtos de Higiene e Perfumes

cosmeticos

csmeticos mulherCosméticos, Produtos de Higiene e Perfumes são produtos com o objetivo exclusivo ou principal de limpar, perfumar, alterar sua aparência, corrigir odores corporais e ou proteger. Estes produtos são compostos por substâncias naturais ou sintéticas, de uso externo nas diversas partes do corpo humano, pele, sistema capilar, unhas, lábios, órgãos genitais externos, dentes e membranas mucosas da cavidade oral.

No Brasil é de responsabilidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa/MS, regulamentar, fiscalizar e controlar a produção e a comercialização destes produtos.

Para propiciar produtos seguros e com qualidade no mercado, contribuindo, assim, para a proteção da saúde da população são estabelecidos controles a serem realizados periodicamente, como: avaliações físico-químicas, microbiológicas e de segurança e eficácia.

As Analises Microbiológicas garantem as Boas Práticas de Fabricação e a utilização de conservantes. Os controles são importantes desde a fase de desenvolvimento do produto utilizando-se lotes produzidos em escala laboratorial e piloto de fabricação, podendo estender-se às primeiras produções.

Os produtos mais suscetíveis à contaminação microbiológica são os que apresentam água em sua formulação como emulsões, géis, suspensões ou soluções. Em alguns casos, estes afetam a estrutura dos agentes conservantes influenciando na estabilidade do produto.

A avaliação microbiológica permite verificar se a escolha do sistema conservante é adequado, ou se a ocorrência de interações entre os componentes da formulação poderá prejudicar-lhe a eficácia.

Os produtos cosméticos devem ser produzidos, armazenados, transportados e distribuídos de forma segura, e devem atender à Resolução 481/99. (ANVISA, 2004)

 

Principais análises:

  • Teste de desafio do sistema conservante (Challenge Test);
  • Contagem de micro-organismos mesofilos aeróbios totais;
  • Pesquisa de Pseudomonas earuginosa;
  • Pesquisa de Staphylococcus aureus;
  • Pesquisa de Coliformes totais;
  • Pesquisa de Coliformes termotolerantes (fecais);
  • Pesquisa de Clostridium sulfito redutor (exclusivo para talcos).

 

TESTE DE DESAFIO DO SISTEMA CONSERVANTE (CHALLENGE TEST):

Com o desenvolvimento das Boas Práticas de Fabricação, entende-se que a qualidade microbiológica de um cosmético não deve depender exclusivamente do seu sistema conservante. Entretanto, como não se pode prescindir de seu uso, a escolha dos conservantes deve ser adequada para que sejam efetivos. Além disso, deve-se considerar que os conservantes podem ser inativados, total ou parcialmente, deixando o produto sem a proteção esperada. Portanto, testes de eficácia para os conservantes devem ser parte essencial dos dados de segurança dos produtos cosméticos. Esses testes têm por objetivo determinar o tipo e a concentração eficaz mínima do conservante necessário para garantir a proteção satisfatória do produto desde a fabricação até a sua utilização final pelo consumidor.

O Teste de Desafio do Sistema Conservante consiste na contaminação proposital do produto com micro-organismos específicos e avaliação da amostra em intervalos de tempo definidos, com o objetivo de avaliar a eficácia do sistema conservante necessário à proteção do produto.
Os conservantes utilizados devem estar em conformidade com o estabelecido na Resolução 162/01 e suas atualizações.

Para maior abrangência, o teste deve ser efetuado no mínimo em 2 fases: a primeira, após a definição da fórmula do produto; e a segunda, após o término dos controles exigidos pelas normas vigentes e ou compatibilidade da formulação com o material de acondicionamento.

 

Referências:

  • Resolução 481/1999 – Parâmetros para Controle Microbiológico de Produtos Cosméticos;
  • Resolução RDC 162/2001 – Lista de Conservantes Permitidos;
  • Guia de estabilidade de produtos cosméticos, Volume 1, 2004 – ANVISA.

 

Metodologias:

  • Portaria 1480 de 31/12/90 – ANVISA;
  • USP - United States Pharmacopeia.

voltar