Confira a pesquisa do Idec que reprovou 25 marcas de queijo branco

 

queijos

Você está de olho no que coloca no seu prato? O Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) testou a qualidade do queijo branco, também conhecido como frescal. Ele é muito procurado por ser mais saudável. O resultado foi preocupante: as 25 amostras analisadas foram reprovadas.

Veja aqui a matéria no site do Idec e aqui, pesquisa completa.

Leia aqui as respostas das empresas analisadas:

Almeida, Almeida Light: A responsável pelas marcas Almeida e Almeida Light afirmou que desde janeiro deste ano substituiu a empresa terceirizada que produz os queijos, pois já havia identificado problemas no processo de fabricação.  A empresa está tomando as devidas providências para se adequar às normas legais.

Cana do Reino: A representante afirmou que o queijo Cana do Reino não está mais em circulação.

Cascata, Cascata Light: De acordo com o proprietário, os rótulos foram feitos novamente e ainda serão aprovados pelo Ministério da Agricultura.

Cruzília: A empresa responsável pela marcas Cruzília alega que seus produtos estão de acordo com as normas de rotulagem, pois a RDC nº 360/2003 da Anvisa estabelece tolerância de 20% para mais ou para menos dos teores declarados no rótulo. Ela disse também que a quantidade de gorduras insaturadas não deveriam ser questionados pelo Idec porque sua declaração não é obrigatória.

Dia, Dia Light: A responsável pelas marcas Dia, Dia Light avisou que notificou todos os funcionários envolvidos, que solicitou ao Serviço de Inspeção Federal a análise do produto e que adotará todas as medidas necessárias para que o fato não volte a ocorrer .

Fazenda Bela Vista: As variações indicadas pelo IDEC estão dento do previsto pela Legislação Vigente, e o teor de sal foi analisado por laboratorio credenciado pelo Ministério da Agricultura e Anvisa e o resultado encontrado corresponde ao declarado no rótulo.

Ipanema, Ipanema Light: A empresa ressalta que os produtos foram aprovados nos parâmetros: microbiológicos; matérias macroscópicas e microscópicas prejudiciais a saúde humana e avaliação de rotulagem, não causando nenhum dano a saúde consumidor. Porém, uma vez que foram reprovados na avaliação de rotulagem nutricional, declarou que enviaram amostras dos queijos para análise de rotulagem nutricional em laboratórios terceirizados, credenciados pelo MAPA, para que possam se adequá-los conforme resoluções RDC ANVISA de nº359 e 360.

Montesanina: A empresa não enviou resposta ao IDEC e também não respondeu quando procurada pela reportagem do Bom Dia Brasil.

Puríssimo, Puríssimo Light: As donas das marcas Puríssimo e Purríssimo Light disseram que vão alterar o rótulo.

Quatá, Quatá Light, Cristina, Cristina Light e Glória: O fabricante informou que os produtos foram aprovados e seguem todos os padrões exigidos pelo Ministério da Agricultura no que diz respeito às informações obrigatórias de rotulagem. Argumentou que o leite é uma matéria-prima "viva" e de acordo com sua composição, pode sofrer alterações que refletem no resultado final do produto. O fabricante informou que realiza análises frequentes na fabricação, com laboratórios credenciados pelo MAPA, para garantir que os produtos estejam dentro dos padrões legais.

Santa Clara 85%, Santa Clara SanBios: O fabricante informou que tem a preocupação de apresentar números reais em suas embalagens. Desta forma, os resultados apresentados pelo IDEC serão levados em consideração e os produtos da marca passarão por novos testes de avaliação das tabelas nutricionais.

Santiago, Santiago Light: De acordo com o proprietário, os rótulos foram feitos novamente e deverão ser aprovados pelo Ministério da Agricultura. 

Tirolez, Tirolez Light: O fabricante defendeu que a tolerância para o teor de nutrientes declarado no rótulo é para mais ou para menos e justificou que a variação de gorduras saturadas no queijo convencional da marca deve-se à perda de soro típica deste queijo, e decorrente de mudanças mínimas na temperatura de refrigeração do produto. Quanto à discrepância no teor de gorduras totais, saturadas e insaturadas na versão light, disse que os resultados do teste do IDEC não condizem com o histórico da empresa e que faz análises internas de todos os lotes produzidos antes de serem liberados ao mercado, além de análises periódicas em laboratórios externos credenciados. E enviou laudos de maio de 2011 e outubro de 2012 para o instituto.

Vernizzi: As providências estão sendo tomadas para sanar os problemas.
 

Análise microbiológica - Nesse quesito, cinco amostras foram reprovadas:

Almeida, Almeida Light: A responsável pelas marcas Almeida e Almeida Light afirmou que desde janeiro deste ano substituiu a empresa terceirizada que produz os queijos, pois já havia identificado problemas no processo de fabricação.  A empresa está tomando as devidas providências para se adequar às normas legais.

Cascata: O fabricante informou que foram determinadas ações ao setor de qualidade para sanar as não conformidades apontadas. Os produtos reprovados terão os processos produtivos auditados por uma equipe de consultores externas e medidas serão tomadas para manter os produtos dentro da legislação.

Santiago Light: O fabricante informou que foram determinadas ações ao setor de qualidade para sanar as não conformidades apontadas. Os produtos reprovados terão os processos produtivos auditados por uma equipe de consultores externas e medidas serão tomadas para manter os produtos dentro da legislação.

Vernizzi: As providências estão sendo tomadas para sanar os problemas.

 

Fonte: Bom dia Brasil - http://ow.ly/jJMa2

Imprimir

voltar